Caça israelita

 

Caça israelita. Cartoon de 09/06/2024 em CTXT

Tradução dos cartazes nos botões: "Assassinato de crianças". "Havia terroristas". "Vamos abrir um inquérito".

As Nações Unidas actualizaram a sua lista negra de países que atacaram civis e crianças durante conflitos armados e incluíram Israel. Esta lista, também designada por "lista da vergonha" dos países "agressores que atacam crianças", incluía anteriormente o Iémen, o Iraque, a Rússia, Myanmar, a Síria, o Afeganistão ou a Somália e organizações como o Estado Islâmico, a Al Qaeda ou o Boko Haram.

Embora esta seja a primeira vez que Israel é incluído nesta lista, em 2023 já tinha sido citado no relatório, juntamente com a Palestina, como uma das nações com os níveis mais elevados de violações graves verificadas(1).

A ONU, citando dados do Ministério da Saúde de Gaza, afirma que"o número de crianças mortas por bombardeamentos, ataques e incursões israelitas identificadas até 5 de junho era de 7797, a que se juntam as crianças entre os 12.000 corpos recuperados mas ainda não identificados e os encontrados sob os escombros, onde se acredita que estejam enterrados cerca de 10.000 corpos, na sua maioria mulheres e crianças".

Além disso, estima-se que 85% das crianças palestinianas com menos de cinco anos sofram de fome ou de alguma forma de subnutrição devido aos impedimentos israelitas à distribuição de alimentos. Pelo menos 30 crianças morreram de fome em Gaza, segundo as autoridades sanitárias da Faixa de Gaza.

Mas os números globais, sempre a aumentar, são devastadores. Fala-se já de mais de 36.000 palestinianos mortos por Israel na Faixa de Gaza e de mais de 83.000 feridos.

O embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, respondeu da única forma que os genocidas sabem fazer, chamando terrorista a qualquer pessoa que aponte os seus actos criminosos.

"Onosso exército é o exército mais moral do mundo, mas quem está na lista negra é o secretário-geral, que promove o terrorismo e o ódio a Israel. O secretário-geral devia ter vergonha na cara!", afirmou num tweet em que parece estar a fingir que atende o telefone.

Netanyahu também não desenvolveu muito mais a sua resposta, numa declaração que foi mais curta do que a sua humanidade, limitando-se a afirmar que a ONU é o Hamas.

"A ONU inscreveu-se hoje na lista negra da história quando se juntou aos apoiantes dos assassinos do Hamas. As Forças de Defesa de Israel são o exército mais moral do mundo e nenhuma decisão ilusória da ONU mudará esse facto".

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel, Israel Katz, acrescentou a sua habitual ameaça à resposta, incluindo a também tradicional acusação de antissemitismo, e também no Twitter disse:"É um ato de vilania de Guterres, que observou um minuto de silêncio em memória do presidente do Irão, que executou dezenas de milhares de inocentes. Guterres ficarána história como um Secretário-Geral antissemita que preferiu ignorar os crimes sexuais do Hamas e o direito de Israel à auto-defesa".

Mais tarde, publicaria este disparate, mais típico de um aspirante a troll adolescente, para demonstrar ao mundo o nível de sociopatia daqueles que governam Israel.

Embora eu gostasse que tudo isto fosse apenas uma guerra de memes e posturas em vez de um genocídio transmitido em direto.


Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad

Artículos relacionados
¿Algo que decir?

Este blog se aloja en LucusHost

LucusHost, el mejor hosting