8 milhões de dólares a desenhar desenhos animados, em 1933

 
  • ES
  • RU
  • CN
  • DE
  • IT
  • FR
  • EN
  • 8 milhões de dólares a desenhar desenhos animados, em 1933

    Um sortudo grupo de cerca de 200 cartoonistas de imprensa ganhou entre 200 e 1000 dólares por dia, estes artistas mudaram-se numa indústria que gerou 8 milhões de dólares… a partir de 1933.

    Alguns deles podem ganhar até 7000 dólares por semana, números que são ainda mais chocantes se tentar mergulhar nos “salários” dos cartoonistas espanhóis em Espanha, na altura.

    Isto foi relatado na revista Modern Mechanix na sua edição de Novembro de 1933 sob o título “How Comic CARTOONS Make Fortunes”(capa). Embora devido ao tempo decorrido e à dificuldade de verificar estes números hoje em dia, eles podem revelar-se orientações interessantes.

    Nem todos estes cartunistas que trabalharam para a imprensa americana há quase 80 anos eram profissionais ou autores estabelecidos, entre autodidatas e aprendizes criaram séries e personagens de sucesso que as editoras da época souberam transformar num negócio milionário graças em grande parte ao gosto já estabelecido pelos “pequenos desenhos animados” dos leitores da época.

    Ler estas figuras, bem como fazer mais do que um de nós desejar lápis, lembra-nos que o poder e a tradição da indústria americana de humor gráfico, banda desenhada e ilustração satírica para a imprensa não compreendeu as crises e os cartoonistas continuaram a ganhar dinheiro mesmo durante a Depressão, e nem mesmo o famoso acidente pôde pôr fim à sua próspera indústria editorial.

    narices

    Encontrado em La Nuez

    bola-anime

    Fonte: Modern Mechanick (Inglês) Páginas digitalizadas muito interessantes do artigo completo “How Comic CARTOONS Make Fortunes” (Nov, 1933) (bem vale a pena traduzir para o espanhol se ele não existir) , alguém se importa de traduzi-las?


    Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad

    Artículos relacionados

    Involução

    Trump golpista

    Nós o Povo