PSOE sobre o Sahara

 
PSOE sobre o Sahara

O PSOE sobre o Sara. Desenho animado de 20/03/2022 em CTXT

A Espanha ocupou o Sahara em 1883, noventa anos mais tarde nasceu o povo saharaui Frente Polisario que reclamou a sua independência.

Um ano mais tarde, em 1974, com o regime de Franco nos seus últimos dias, a Espanha propôs a realização de um referendo sobre a autodeterminação. Marrocos decidiu então passar por cima do referendo e optou por combater a Frente Polisario no deserto. A 6 de Novembro de 1975, o rei Hassan II enviou 350.000 civis para ocupar o que se chamava o “Sahara marroquino”. Este foi o início da chamada Marcha Verde.

Em 1976, a Espanha cede a sua colónia a Marrocos e Mauritânia sem o apoio da Frente Polisario, e milhares de saharauis vão para o exílio no deserto, em campos perto da cidade de Tindouf (Argélia). A Frente Polisario entra em guerra com a Mauritânia e Marrocos.

“O povo saharaui foi condenado a um destino semelhante ao do povo palestiniano, que se resume na expulsão das suas terras e na pilhagem das suas riquezas, em processos duradouros de limpeza étnica e no duro apartheid” Fonte.

A paz foi assinada com a Mauritânia em 1979, e um cessar-fogo com Marrocos em 1991.

Pouco depois, a paz foi assinada antes das Nações Unidas e a ONU criou a Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental (Minurso), com o objectivo de supervisionar o processo.

O resto dos movimentos do PSOE já passaram a postura em oposição exigindo um Saara livre, mas virando-lhes as costas quando tiverem governado.

Autodeterminação tururu

Na página 286 do o programa eleitoral do PSOE as lições gerais de 2019, pode-se ler isto:

-“Vamos promover uma solução para o conflito do Sahara Ocidental através do cumprimento das resoluções das Nações Unidas, que garantem o direito à autodeterminação do povo saharaui. Para tal, trabalharemos para alcançar uma solução para o conflito que seja justa, definitiva, mutuamente aceitável e respeitadora do princípio da autodeterminação do povo saharaui, bem como para promover o acompanhamento dos direitos humanos na região, favorecendo o diálogo entre Marrocos e a Frente Polisario, com a participação da Mauritânia e da Argélia, parceiros fundamentais da Espanha, que o enviado da ONU para o Sahara Ocidental está a facilitar”.

Agora, Pedro Sánchez escreveu outra página uma história deplorável para acrescentar à história de uma descolonização atamancada e o consequente abandono do povo do Sahara Ocidental. E os seus parceiros de coligação a engolir, pela enésima vez.

O primeiro-ministro aceitou unilateralmente as exigências de Mohamed VI de autonomia no seio da soberania marroquina como“a base mais séria, realista e credível” para uma solução do conflito do Sara. O acordo, cujo texto não é conhecido, pelo menos por fontes do nosso governo, “..obriga“Marrocos a desistir de Ceuta, Melilla e as Ilhas Canárias”. Uma troca de cartas.

Mobilizações

PSOE sobre o Sahara

As mobilizações já foram reportadas em diferentes cidades em Espanha.

CEAS Saarapor exemplo, a Coordinadora estatal de Asociaciones Solidarias con el Sahara por la autodeterminación e independencia del pueblo saharaui convocou um comício em Madrid no dia 26 de Março sob o lema “No en mi nombre”. Para a autodeterminação do povo saharaui”.

Este é o texto que acompanha a chamada:

“Lemos com espanto a troca de comunicados entre os Governos de Espanha e Marrocos, na qual parece que o nosso Governo, considera o Plano de Autonomia proposto por Marrocos para o Sahara Ocidental, como a única solução credível para o conflito que a Espanha gerou após um inconclusivo processo de descolonização.

Perguntamo-nos, com base em que argumento, o Governo toma o partido do ocupante marroquino como se não tivesse consciência da sua responsabilidade histórica, jurídica e política na questão do Sahara Ocidental, um território do qual a Espanha continua a ser a potência administrante. E estamos convencidos de que desconhece a capacidade de luta pacífica do povo saharaui e a do movimento de solidariedade saharaui.

Do CEAS-Sahara pedimos aos partidos que compõem o governo, aos que o apoiam, e aos partidos da oposição, que redobrem os seus esforços para fazer cumprir a lei internacional e rejeitem fortemente esta decisão tomada pelo governo, que rompe com o consenso que tem caracterizado os últimos 46 anos de política externa espanhola em relação ao Sahara Ocidental.

A única solução justa, realista e política é a escolhida pelo povo saharaui com base na legalidade internacional, através da realização de um referendo de autodeterminação.

Reafirmamos o nosso compromisso com a República Árabe Saharaui Democrática e o seu legítimo representante, a Frente POLISARIO. O CEAS-Sahara estará com eles até à vitória final.

O Governo de Espanha, sempre nos terá na frente e com toda a força que nos dá o conhecimento de que estamos certos em defender o direito à autodeterminação e à independência do povo saharaui.

Pedimos a todas as entidades de amizade com o povo saharaui, a comunidade saharaui, e todos os defensores da legalidade internacional,que estejam atentos às mobilizações que serão propostas para demonstrar a nossa rejeição deste absurdo.

o povo saharaui precisa de nós agora mais do que nunca! Pela autodeterminação e independência do povo saharaui”


Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad

¿Algo que decir?