O mistério do primeiro ataque jihadista em Espanha

 

Autor/ Raquel G. Solís

A autoria do primeiro atentado jihadista na história de Espanha continua a ser um mistério por resolver e ainda tem mais perguntas do que respostas.

Não foi em quatro comboios suburbanos, em hora de ponta, na estação de Atocha, a 11 de março de 2004, mas sim em meados dos anos 80, no restaurante "El Descanso", e fez 18 mortos e 82 feridos.

Nunca foi possível determinar a autoria deste atentado, apesar de ter sido reivindicado por quatro grupos terroristas.

Aconteceu em 1985, 19 anos antes, no dia 12 de abril, por volta das dez e meia da noite, perto da base militar de Torrejón de Ardoz. Dezoito pessoas morreram e 82 ficaram feridas. Apesar de dentro de poucos dias fazer 39 anos, a sua autoria continua a ser desconhecida.

O número de vítimas era a única coisa que estava clara: 18 espanhóis morreram e 82 ficaram feridos, 14 dos quais eram americanos. O facto de o restaurante ser frequentado por militares norte-americanos da base dos EUA em Torrejón de Ardoz sugeria que o alvo não eram espanhóis mas sim americanos. No entanto, a hora a que o atentado foi perpetrado, cerca das dez e meia da noite, não torna esta hipótese viável, pois era demasiado tarde para os soldados americanos estarem a jantar.

Também não se sabe que tipo de explosivo foi detonado, desde clorotite, pentrite a trinitrolueno. A única coisa que se sabe ao certo é que a bomba, com um peso entre 5 e 15 quilos, estava num saco de desporto abandonado debaixo do bar do restaurante, perto das casas de banho.

Fonte: 30 anos após a explosão que matou 18 pessoas no restaurante 'El Descanso' / RTVE

Mas o verdadeiro mistério do terceiro maior atentado da história recente de Espanha, apenas ultrapassado pelo M-11 com 190 mortos e pelo atentado do Hipercor com 21, continua a ser quem o cometeu.

As horas passavam e ninguém o reconhecia, até que começaram a ser feitas as primeiras reivindicações. Entre elas, a Jihad Islâmica . Fê-lo através de um telefonema anónimo para a sucursal de Beirute de uma agência noticiosa internacional. Afirmou que continuariam a fazer atentados até que o último soldado israelita deixasse o Sul do Líbano.

Além disso, o comunicado afirmava que se tratava de uma represália pelas suas mortes em Bir al- Abed, um bairro xiita da cidade onde a explosão de um carro armadilhado tinha matado 92 pessoas quatro dias antes. Os fundamentalistas xiitas acusaram diretamente Israel e os Estados Unidos de estarem na origem do massacre.

O problema surgiu porque não foram os únicos a reivindicar a responsabilidade. Foram encontrados envelopes de açúcar com a palavra "Waad", uma promessa utilizada pela Frente Popular para a Libertação da Palestina-Comandos Especiais (FPLP-CE), uma dissidência da OLP, para reivindicar a responsabilidade pelos seus ataques. De facto, as primeiras investigações apontavam para Hamza Tirawi, militante deste grupo.

Não só isso, como também reivindicou a responsabilidade num comunicado em que dizia lamentar a morte de espanhóis que ali se encontravam acidentalmente, segundo o El Periódico. Esta hipótese foi finalmente descartada, uma vez que não foram efectuadas quaisquer detenções.

Suspeitou-se também da ETA. O motivo foi o facto de o grupo terrorista basco se ter declarado anti-NATO e de ter sido precisamente a proximidade da base americana que os tornou os primeiros suspeitos, segundo a imprensa da época. Além disso, é preciso não esquecer que, nesses anos, a Espanha estava a atravessar os chamados "anos de chumbo da ETA".

Mesmo assim, e seguindo a hipótese de os autores serem espanhóis, o GRAPO não foi excluído. Uma pessoa com voz distorcida telefonou para uma estação de rádio da Antena 3 afirmando estar a falar em nome deste grupo. O autor da chamada lamentou que o atentado não tivesse ocorrido às quinze para as nove da manhã, hora prevista, quando o local estaria cheio de americanos, segundo o jornal El País.

Capas do ABC das edições de Madrid e Sevilha. 14 de abril de 1985.

Curiosamente, em 2005, vinte anos mais tarde, um sobrevivente do atentado viu na imprensa uma fotografia de Mustafa Setmarian Nasar, dirigente da Al-Qaeda detido nesse mesmo ano no Paquistão, e reconheceu-o. Afirma ter suspeitado dele desde o início e diz tê-lo visto colocar um saco no local da explosão. Afirma ter desconfiado dele desde o início e diz tê-lo visto colocar um saco no local da explosão.

Inicialmente, a polícia não o levou muito a sério. Mas uma análise do dossier do processo leva-os a perceber que outras testemunhas apontam para um suspeito com características semelhantes.

Segundo a Interviú, alguns militares americanos que se encontravam no local e que foram submetidos a sessões de hipnose para se lembrarem de pormenores que pudessem esclarecer também apontam para ele.

Seguindo esta pista, o caso foi reaberto. O juiz Baltasar Garzón emitiu um mandado de captura internacional contra ele, mas o seu paradeiro ainda é desconhecido. Algumas fontes acreditam que poderá estar em Guantánamo e outras na Síria, mas ninguém sabe ao certo.

O que se sabe é que é de origem síria. Tem nacionalidade espanhola depois de ter casado com uma mulher de Madrid com quem teve dois filhos. Vive em Espanha há 12 anos, sem ter sido detido ou considerado suspeito deste atentado.

O mistério do primeiro ataque jihadista em Espanha

Raquel G. Solís

Jornalista em busca de novos projectos. Defensora de um jornalismo sério, baseado em dados e não em opiniões ou afirmações.


Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad

Artículos relacionados

Terra de ninguém

Hipotecas

Hipotecas

Este blog se aloja en LucusHost

LucusHost, el mejor hosting