"Bluff", a morte de um cartoonista

 
"Bluff", a morte de um cartoonista

Ontem foi apresentado na Câmara Municipal de Valência um novo livro sobre Carlos Gómez Carrera, "Bluff". carlos Gómez Carrera (1903-1940), um dos mais importantes caricaturistas do período republicano espanhol, foi fuzilado pelo regime de Franco na prisão Modelo, em Valência, no final da Guerra Civil Espanhola, pelas suas caricaturas de Franco e caricaturas contra o fascismo.

Juntamente com ele, outras pessoas foram mortas nesse dia, entre as quais Vicente Miguel Carceller, um editor empenhado na liberdade, que com o seu semanário "La Traca" se ligou ao povo e manteve o pulso ao poder de 1909 a 1939, atingindo uma tiragem de meio milhão de exemplares por semana.

Em Setembro de 2021, será lançado o documentário"Carceller, el hombre que murió dos veces" (Carceller, o homem que morreu duas vezes), que conta a história de como o regime de Franco silenciou duplamente o cartoonista e o seu editor, primeiro pelo fuzilamento e depois pela censura franquista.

Listado de ejecutados por el régimen franquista asesino


Fonte da imagem: entrevista no El Económico, Agosto de 2018. Lamber: "Os carcereiros de Franco celebravam os êxitos militares nazis com farras e bebedeiras"

Esta é uma viagem de 132 páginas pela vida do ilustrador e uma selecção do que Parra considerou as suas melhores vinhetas publicadas pelo El Nadir, que inclui entrevistas, capas de diferentes revistas, principalmente do semanário La Traca, e ilustrações e piadas de outros autores.

O autor resgata pistas e dados até agora desconhecidos sobre a farsa judicial a que o cartoonista foi sujeito, não só pelos seus cartoons antifascistas mas também, uma vez preso, por alegados cartoons subversivos desenhados na prisão; acusação que se revelou decisiva para a sua condenação à morte na parede.

Fonte da imagem: Editorial El Nadir

René Parra (Valência, 1989) é tradutor, editor e professor de Geografia e História e História da Arte. Leccionou na Escola de Arte e Design de Orihuela. Editor de El Nadir, especializou-se na história da ilustração e do humor narrativo e gráfico, tendo escrito vários artigos e antologias críticas sobre o tema. Por este trabalho, recebeu vários prémios, entre os quais, em 2020, o prémio da Feira de Banda Desenhada de Valência para a maior contribuição para o património.

Desenho de Bluff atacado por um gato. Fotografia com a adição de uma das suas personagens. Contracapa do livro / El Nadir

Esta não é a primeira publicação que estuda a vida, a obra e o assassinato de Bluff, numa tentativa de resgatar a memória deste artista que o regime de Franco quis apagar e eliminar todos os vestígios. Em 2018, o cartoonista e divulgador Lamberto Ortiz, apresentou o seu livro Redescobrir Bluff, o cartoonista que desafiou o fascismo (1903-1940) no qual recorda que Bluff deixou uma mala com os seus desenhos, que nunca chegou à sua mãe, que apenas recebeu uma gravata, um cinto, uma camisa e alguns desenhos menores.

Há apenas um ano, por esta altura, a cidade de Valência anunciou que uma das suas ruas teria o nome deste ilustrador e cartoonista (pouco conhecido e reconhecido) por se tratar de uma "dívida histórica que a nossa cidade tem para com este ilustrador, mas também uma forma de reivindicar e valorizar a liberdade de expressão e a democracia".


Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad

Artículos relacionados

Este blog se aloja en LucusHost

LucusHost, el mejor hosting