Oito cartoonistas às portas da prisão

 
Oito cartoonistas às portas da prisão

Andalán, de 13 a 19 de Março de 1981

Quarenta anos, as mesmas histórias

Se as queixas, denúncias e julgamentos por“ofensas contra sentimentos religiosos” parecem ocorrer quase diariamente hoje em dia, durante os últimos tempos do regime franquista, elas também eram comuns. Aqui está a história da última tentativa, durante o mandato da última corporação franquista na Câmara Municipal de Saragoça, de colocar oito cartoonistas na prisão.

O ano foi 1978. De acordo com as crónicas da época, um queixoso anónimo considerou que na edição número 3 da fanzine Zeta havia duas piadas que poderiam constituir um crime de escárnio e contra a liberdade religiosa.

Oito cartoonistas às portas da prisão

Foto: Carlos Azagra (ver mais)

A verdade é que a identidade do alegado queixoso nunca foi conhecida. No entanto, Manuel Estradera Vázquez, “Strader”, tem algumas suspeitas (1)

“Ninguém sabe como a nossa humilde publicação chegou às mãos de um juiz (…) Embora, curiosamente, um dos apelidos do juiz coincidisse com o de um jovem fã do grupo e fã de banda desenhada que andava por aí, juntamente com meia dúzia de outros simpatizantes, nas instalações que usávamos como gabinete editorial e oficina editorial da revista. Mas, bem, estas são apenas suposições infundadas que não vão a lado nenhum”.

santa vaca!

As piadas a que o queixoso desconhecido se referiu foram um desenho da Virgem do Pilar e uma fotografia em que oito membros da revista apareceram a jantar como um anúncio para o próximo número da revista com a frase:“este não é o último ZETA“.

Ocho dibujantes a las puertas de la cárcel

Da esquerda para a direita: El Rizos, Azagra, Luis Royo, Strader, Ricardo Joven, Mastral, Lahuerta e Gregorio.

É engraçado porque essa foi a última, pois a publicação foi apreendida e os oito cartoonistas acabaram em tribunal.

Ocho dibujantes a las puertas de la cárcel

Segundo o queixoso, tanto a ilustração(que não consegui encontrar em melhor qualidade) da Virgen del Pilar como a fotografia foram insultos contra a instituição religiosa, sendo uma paródia da passagem evangélica da última ceia.

Oito cartoonistas às portas da prisão

Actualização 04 de Setembro de 2017, Carlos Azagra encontrou e enviou a página em qualidade e tamanho poderoso para poder vê-la em detalhe, obrigado!

Oito cartoonistas às portas da prisão

Ilustração da Virgem do Pilar desenhada por Antonio Soteras, El Rizos.

Levantem o arguido

Em Outubro de 1979 foi realizado o julgamento.

A sentença estava de acordo com os pedidos do procurador, quatro meses e um dia de prisão maior e sete anos de desqualificação para o ensino, cargos públicos e direitos de voto.

Ocho dibujantes a las puertas de la cárcel

Semanario Andalán, no. 245, 23-29 de Novembro de 1979

Oito cartoonistas às portas da prisão

Dossiê do Colectivo Zeta, vários autores, 32 páginas, com contracapa de Carlos Giménez

Oito cartoonistas às portas da prisão
Oito cartoonistas às portas da prisão
Ocho dibujantes a las puertas de la cárcel

Página do Dossiê do Colectivo Zeta

Para a cadeia

Foi considerado como garantido que seriam libertados em liberdade condicional, mas contra todas as probabilidades foram enviados para a prisão, como muitos meios de comunicação social relataram num comunicado de imprensa.

Ocho dibujantes a las puertas de la cárcel

Oito caricaturistas nos portões da prisão

No dia da sua admissão na prisão, sete dos oito cartoonistas condenados estavam presentes, o ausente, Manuel Estradera Vázquez, “Strader” , relata as suas memórias daqueles dias:

“Eu não estava preparado para passar oitenta ou oito dias fechado numa jaula (…) Naquela mesma noite eu estava de partida para Paris”.

“Na manhã seguinte, todos eles chegaram pontualmente ao Audiencia para serem transferidos para a prisão Torrero”.

“Eles foram acompanhados por um grande grupo de membros da assembleia do dia anterior, que se manifestaram pacificamente no Coso, em frente ao Audiencia. Como não estive presente, tenho de recorrer a para a conta que aparece num blogue:

“À porta da prisão de Torrero, em Saragoça, eles estavam à espera para entrar. Fernández Ordóñez, Ministro da Justiça e Deputado de Saragoça, fez uma declaração exigindo a sua libertação imediata.

Havia oito desenhadores e apenas sete estavam lá. O oitavo tinha fugido para França. Tiveram de assinar o “enterado” ou a liberdade condicional. Eles fizeram fila e o primeiro a assinar fez fila de novo para assinar o oitavo”.

Esta última anedota divertida é, eu sei, apócrifa. Eu sei que alguém desculpou a minha ausência por eu estar doente, e foi-lhes dito para me dizerem que eu deveria ir e assinar o mais rápido possível.

Em poucos minutos fui contactado por telefone, pois alguns deles sabiam que a minha primeira paragem era Angoulême e que eu ia encontrar-me com o director do Salon International de la Bande Dessinée, que tinha o seu escritório na Câmara Municipal de Angoulême. Eles informaram-me do que tinha acontecido e imploraram-me que voltasse para assinar, para… Bem, eu voltei e assinei. Eu voltei e assinei. Só para agradar aos meus amigos.

A cobertura mediática deste caso após as acções de protesto de alguns cidadãos e de um grupo de artistas e intelectuais da época, mais as acções de alguns políticos como Fernández Ordóñez, Ministro da Justiça e deputado por Saragoça, e os esforços do então Presidente da Câmara de Saragoça, Ramón Sáinz de Varanda, foram decisivos para o resultado desta história.

A sentença foi suspensa

Em 16 de Março de 1981, um relatório da agência noticiosa EFE declarou que, pouco antes da sua admissão na prisão, o juiz suspendeu a pena para os oito cartunistas durante dois anos,“dependendo do comportamento que observou nos arguidos durante este período, para agir em conformidade“.

O texto da frase continua por encontrar e acrescentar, diz-se que é muito engraçado.

Oito cartoonistas às portas da prisão

Andalán, no. 313, 20-26 de Março de 1981

Ocho dibujantes a las puertas de la cárcel

As três edições do “Colectivo Zeta” (1978), a terceira edição nunca foi distribuída.

Um bom número de anos mais tarde, Carlos Azagra resumiria esta passagem numa banda desenhada.

Oito cartoonistas às portas da prisão

Segunda fase

Após o seu rapto judicial, a segunda fase da revista Zaragozan “Zeta” (1979) foi renomeada “Bustrófedon e tinha uma grande equipa de cartunistas e escritores profissionais como Carlos Giménez, Azagra, Luis Royo e Antonio Altarriba, juntamente com outros novos autores.

Não seria a última vez que Carlos Azagra e alguns dos membros do colectivo teriam de enfrentar um julgamento por “troça da religião”.

Pouco tempo depois, também em 1978/79, uma edição da revista Butifarra! dedicada à Igreja e intitulada Iglesia S.A. custou-lhes outro julgamento.

Ocho dibujantes a las puertas de la cárcel

Carlos Azagra, que tinha desenhado três páginas, duas explicando o negócio do ensino religioso e a outra dedicada às seitas, lembra-se do esse julgamento:

“Naquele julgamento eu não podia ir como autor, pois estava em liberdade condicional para outro julgamento pela mesma coisa, zombaria da religião católica em Saragoça… se descobrissem que eu tinha feito aquelas páginas, eu iria directamente para a prisão, assim como Rafael Vaquer – o criador de Jhonny Roqueta – que naqueles dias ainda fazia o seu serviço militar e podia ir para a prisão pela mesma coisa. Assim, entre todos eles encobriram para nós, vantagens que os juízes não compreendem os estilos…”

“No julgamento, Miguel Gallardo-criador de Makoki- teve de dizer ao juiz que tinha desenhado as minhas páginas, porque se eu voltasse a fazer a mesma coisa, iria directamente para a prisão (ainda estava em liberdade condicional para o julgamento anterior em Saragoça)”. (3 )

Ocho dibujantes a las puertas de la cárcel

Desde quando os banda desenhada foram raptados. Carlos Azagra

Fontes consultadas:

-Zaragoza Rebelde

-Biblioteca virtual de Aragão. Arquivo do jornal Andalán

-Arquivo de Jornais ABC 17/03/1981

-O blog de Carlos Azagra

-O blog da Encarna Revuelta

-Antonio Altarriba (2009): “Quando os quadrinhos eram progressivos”, Tebeosfera 3, segundo período . 09/03/2009

-Descarregar Coletivo Zeta nº 1 –(PDF) 83Mb

-Descarregar Coletivo Zeta nº 2 –(PDF) 36Mb

Relacionado:

humor-apuros

Artículos relacionados

Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad

Este blog se aloja en LucusHost

LucusHost, el mejor hosting

Grandes personan que patrocinan.

Patreon

Recibe contenido extra y adelantos desde sólo un dolarcito al mes como ya hacen estos amables lectores:

César D. Rodas - Jorge Zamuz - David Jubete Rafa Morata - Sasha Pardo - Ángel Mentor - Jorge Ariño - Vlad SabouPedro - Álvaro RGV - Araq