Nós o Povo

 
  • ES
  • JA
  • RU
  • CN
  • DE
  • FR
  • EN
  • Nós o Povo
    We the people, as três primeiras palavras do preâmbulo da Constituição dos EUA.

    Desenho animado de 28/05/2022 em CTXT

    Em 24 de Maio, Salvador Rolando Ramos, de 18 anos, disparou contra a sua avó, ferindo-a gravemente, e conduziu até à Escola Primária Robb em Uvalde, Texas, armado com uma pistola e uma espingarda. Ali ele matou dezanove crianças e dois professores. Ele também feriu outros dezassete antes de ser baleado pela polícia, embora a certa altura se tenha dito que tinha sido preso.

    Mais uma matança que provocou o debate habitual e que em breve será enterrada até que o próximo assassino apareça e leve outro grupo de pessoas com ele.

    Tudo isto pode ser resumido a uma questão: Porquê? A resposta rápida e talvez simplista, embora não tão simplista, é porque eles podem

    “Como uma milícia bem ordenada é necessária para a segurança de um Estado Livre, o direito do povo de manter e suportar armas

    Com esta frase concisa e flexível, acrescentada como uma emenda à sua Constituição em 1791, os americanos podem andar pelas ruas com uma potente máquina de matar.

    A coisa, escrita para territórios onde o Estado ainda não tinha sido estabelecido e a segurança era fornecida por exércitos privados ou grupos de autodefesa e em tempos em que para disparar um tiro tinha de fazer uma confusão em que tinha de passar muitos minutos, é ainda hoje a desculpa para carregar, modificar e acabar a usar armas de assalto que permitem disparar mais de 700 tiros por minuto.

    Mike Peterson, em O Cartoonista Diário não concorda com este argumento e, citando este desenho animado de Drew Shenemana Segunda Emenda, ele recorda, não é o único a apontar a rudimentar tecnologia de armas que prevalecia quando a Segunda Emenda foi escrita.

    Nós o Povo

    Peterson procura assim refutar aqueles que acreditam que ele teria “actualizado” a Segunda Emenda:

    “Mesmo Scalia -que interpretou mal a intenção da 2ª Emenda– escreveu que não há direito constitucional para os civis de possuírem armas de grau militar”.

    “Quem aqui pensa que a “liberdade de imprensa” deve aplicar-se apenas à impressão manual de uma folha do século XVIII?” pergunta Peterson, desenhando uma comparação grosseira e irónica (suponho eu).

    Uma coisa que é inegável é que, mais uma vez, o barulho comeu tudo. Debates estúpidos sobre como colocar mais portas nas escolas, sobre a questionável intervenção policial e o habitual “…”as armas não matam, elas matam pessoas“. Mas, claro, Ramos não poderia ter morto 21 pessoas tão facilmente e tão rapidamente e ferido 18 se o tivesse tentado fazer armado apenas com um taco de basebol, dada a impossibilidade de conseguir apanhar uma AR-15 como alguém que compra uma lata de refrigerante.

    Ted Cruz deixou uma das cenas mais embaraçosas da história com esta reacção vergonhosa quando questionado sobre possíveis reformas da lei das armas.

    Para piorar a situação, apenas dias após um dos piores tiroteios escolares dos últimos dez anos, foi realizada a convenção anual da Associação Nacional de Espingardas do RNA e onde, paradoxalmente para os idiotas, foi proibido entrar com armas para ouvir um convidado muito especial que veio para defender o lobby das armas. Trump estava lá para fazer o que ele faz de melhor, fazer-se de idiota.

    Aí ele defendeu que: “Face a tiroteios como este, devemos comprar mais armas”. E outros clássicos também; precisamos de armar os professores.

    O sociopata laranja tentando ler os nomes das pessoas mortas a um ritmo de sino.

    E depois ele fez uma pequena dança.

    Mesmo que eles tivessem um plano de desarmamento, levariam centenas de anos para remover as milhares de toneladas de armas, legais e ilegais, que estão a circular no país É o seu costume e você tem de respeitar o facto de que eles se matam uns aos outros com eles.


    Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad

    Artículos relacionados