Línguas de fogo

 
 
Argentina, Línguas de fogo
Línguas de fogo. Vignette de 04/09/2022 em CTXT

Todos os filhos de um vizinho já sabem disto porque as imagens já deram a volta ao mundo. Um tipo chamado Fernando Sabag Montiel tentou assassinar Cristina Fernández de Kirchner, a vice-presidente da Argentina.

Sabag apontou à cara de Kirchner e puxou o gatilho duas vezes na sua pistola semi-automática, uma antiga Bersa modelo Lusber 84, calibre 32 (7,65 mm), mas não funcionou.

O que se seguiu automaticamente foi outro jogo de culpas. Por um lado, o crescente discurso de ódio foi culpado pela tentativa de assassinato. Por outro lado, os opositores alimentaram a habitual pilha absurda de teorias da conspiração, acompanhadas por uma campanha de mentiras e desinformação, para culpar Kirchner e os seus apoiantes pela vitimização artificial e a orquestração de um falso ataque.

No El País, em o seu editorial de 3 de Setembro, intitulado “O ataque a Cristina Kirchner”, vão um passo mais além e seguem pelo caminho do meio, tomando a teoria (compreensível como um ponto de partida) da “tensão”. Eles começam por dizer que“a tentativa de assassinato do vice-presidente argentino deve ser um ponto de viragem para reduzir a polarização política“.

Outros meios de comunicação social também flertam com a polarização, tensão e/ou desinteresse político usado de uma forma mais ou menos ambígua.

Assim, o El País decide permanecer na terra de ninguém, eles saberão porquê, para culpar a “polarização política” em geral por ter tentado rebentar com a cara de Kirchner

No seu editorial, sentencia:

“A primeira lição a ser retirada deste episódio é a obrigação das forças políticas argentinas de baixar a tensão e, acima de tudo, a recusa absoluta de usar este ataque para desencadear novas rivalidades”.

Não há aqui fascistas, assassinos ou assassinos fascistas, para o El País é tudo culpa de ambos os lados igualmente e são eles que devem “baixar a tensão” e não apontar demasiado para os assassinos, para que eles não se zanguem e as coisas piorem

Um apelo para a equidistância mais mesquinha e mesquinha.


Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad
Artículos relacionados

Deixe um comentário