A diplomacia de Israel

 
A diplomacia de Israel

A diplomacia de Israel. Cartoon de 11/05/2024 em CTXT

A Assembleia da ONU aprovou uma resolução que apela a que a Palestina se torne membro de pleno direito das Nações Unidas, com 143 Estados a votar a favor, 25 abstenções e 9 votos contra. A votação da resolução foi impulsionada por mais de 70 países, incluindo Espanha, Irlanda, Noruega e Bélgica.

Votaram contra esta "recomendação" os EUA e Israel, a Argentina, a República Checa, a Hungria, a Micronésia, Nauru, Palau e Papua Nova Guiné.

A decisão foi tomada pela Assembleia Geral na sequência do veto dos EUA no Conselho de Segurança contra a concessão do estatuto de membro de pleno direito à Palestina. Embora o estatuto de observador do Estado da Palestina se mantenha inalterado, os novos direitos conferem-lhe um maior peso diplomático.

Embora a Palestina continue a ser um Estado observador, não tem o direito de votar na Assembleia Geral nem de apresentar a sua candidatura aos órgãos da ONU, como o Conselho de Segurança ou o Conselho Económico e Social, mas, entre outros direitos, a resolução concede o Estado da Palestina:

  • o direito de ocupar um lugar entre os Estados-Membros por ordem alfabética
  • o direito de ser incluído na lista de oradores para outros pontos da ordem do dia que não as questões da Palestina e do Médio Oriente, pela ordem em que deseja intervir
  • o direito de fazer declarações em nome de um grupo, incluindo entre os representantes dos principais grupos
  • o direito de apresentar propostas e alterações e de as introduzir, incluindo oralmente, também em nome de um grupo
  • o direito dos membros da delegação do Estado da Palestina de serem eleitos para a Mesa do Plenário e para os Comités Principais da Assembleia Geral
  • o direito de participar plena e efetivamente nas conferências das Nações Unidas e nas conferências e reuniões internacionais convocadas sob os auspícios da Assembleia Geral ou, se for caso disso, sob os auspícios de outros organismos das Nações Unidas, em consonância com a sua participação no fórum político de alto nível sobre o desenvolvimento sustentável

No seu discurso, o embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, rasgou uma pequena carta simbólica de fundação das Nações Unidas, a mesma carta pela qual Israel existe como nação soberana, em protesto contra o resultado da votação porque, segundo este sociopata, equivale a"dar todos os privilégios ao futuro Estado terrorista do Hamas" e continuou a falar de Hitler e das tretas habituais da sua propaganda a que estamos habituados.

Se este ato simbólico tivesse sido praticado nos mesmos termos por qualquer dirigente árabe na ONU, ele teria sido arrastado para fora da sala e estaríamos agora a falar de uma terceira e quarta guerra mundial em conjunto, mas o touro que os EUA concedem a Israel é agora bom para qualquer ultraje. Assim, o criminoso e genocida Netanyahu continua a crescer e vemos como a sua piromania não tem limites.

No dia 10 de maio, o Departamento de Estado norte-americano, na sua infinita hipocrisia e numa tentativa de "engolir e assoprar", publicou um "relatório" que conclui que"talvez, talvez, quem sabe, é possível, pode ser, não temos a certeza, é provável que Israel seja um pouco criminoso de guerra e genocida".

O resto dos títulos resultantes são todos do mesmo naipe.

Os EUA consideram provável que Israel se tenha comportado de forma "inconsistente" com o direito humanitário internacional".

Três dias depois, o Conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, numa conferência de imprensa, fez as pazes ao negar o genocídio.

"Acreditamos que Israel pode e deve fazer mais para garantir a proteção e o bem-estar de civis inocentes. Não acreditamos que o que está a acontecer em Gaza seja um genocídio".

Para os cúmplices do genocídio em curso, é "provável" que Israel tenha violado o direito internacional, mas afirmam não ter provas suficientes. Os mais de 35.300 civis mortos(39.675 segundo o Euro-Med Monitor) nem sequer são suficientes como prova.

Quantos milhares de mortos são necessários para intuir uma limpeza ética? Um milhão? Dois? Estamos a escrever as páginas mais tristes da história enquanto nos entretemos com pílulas de genocídio na Internet que se acumulam para formar uma montanha de provas de genocídio que já é tão alta que encobriu qualquer vislumbre de justiça.

Outro assunto que ainda está pendente é o exame minucioso e a reprovação severa do papel de merda que alguns, demasiados, meios de comunicação social e agências estão a desempenhar.

Como a EFE(agência noticiosa pública espanhola), que prefere falar de"fallecimientos", pessoas que morrem sem mais nem menos. Não há adjetivo justo para descrever este lixo. Um insulto à inteligência e a qualquer pessoa que tenha algum apreço pela digníssima profissão de jornalista.

O principal tribunal da ONU iniciou dois dias de audiências sobre um pedido sul-africano para pressionar Israel a suspender a sua operação militar na cidade de Rafah, no sul de Gaza, onde mais de metade da população de Gaza se refugiou (Via Menéame).

Enquanto tudo isto se passa, os protestos pró-palestinianos na Universidade de Columbia alastram a outros campus, também noutros países, e os acampamentos e os actos de repressão por parte das forças da ordem reproduzem-se.

E em Espanha, precisamente hoje, a Universidade de Granada suspendeu a colaboração técnico-científica e a mobilidade com universidades e instituições israelitas.


Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad

Artículos relacionados

¿Algo que decir?

Este blog se aloja en LucusHost

LucusHost, el mejor hosting