Terra de ninguém

 
Terra de ninguém

Terra de ninguém. Desenho animado de 12/04/2022 em CTXT

Tradução: “O ministro continuava a pedir que o VAR provasse que o cadáver tinha caído do seu campo.”.

Foi assim que o Ministro do Interior a redefiniu, Fernando Grande-Marlaska, aquela parte que finge nos entender como um limbo dos direitos humanos, uma zona de exclusão de toda responsabilidade. Lá onde a morte nasce e cresce selvagem.

Esta pirueta com uma dupla volta de cinismo nasceu em 2001 após discussões com Marrocos sobre onde a cerca deveria começar e alude a um pedaço de terra “partilhada”. É suposto ser a soberania espanhola, mas supostamente marroquina. Existe o posto fronteiriço do Barrio Chino, entre Nador e Melilla. Neste ponto, há uma área mais ampla e mais estreita. Segundo o Ministério do Interior, a maior depende de Marrocos e a menor é aquela “terra de ninguém” que o Ministério do Interior chama de “área de intervenção conjunta“, suponho que para culpar o vizinho enquanto se dividem os ultrajes 50-50.

Seja como for, não me dê muita atenção, porque nem mesmo nesta suposta divisão dos limites do limbo eles concordam plenamente. Para questões estritamente legais sobre a propriedade desta terra, você pode ir aos especialistas na área, mas nenhum deles será capaz de encontrar qualquer brecha para justificar matar ou sair para morrer lá e lavar suas mãos dela.

As questões morais desta cápsula são muito melhor explicadas no editorial dos CTXT de 2 de Dezembro, intitulado O Estado como terra de ninguém. Aqui está uma parte:

Em todo o planeta, não existe “terra de ninguém”, entendida como uma área em que é possível realizar crimes, como o assassinato, sem qualquer responsabilidade. No território do Estado espanhol, não há “terra de ninguém” onde a polícia possa ir longe demais sem consequências legais. Não há “terra de ninguém” para a barbárie. Sim, existiu. Durante décadas, mais do que é compreensível, houve esquadras, quartéis, que eram “terra de ninguém”, não sujeitos à lei, dentro dos quais também ocorreram “ataques às fronteiras espanholas” e foram duramente reprimidos. O Ministro do Interior, e com ele seu presidente, parece reivindicar o nascimento localizado, mais uma vez, de “terras de ninguém”, pontos negros onde o que acontece não é visto e não é registrado. E, portanto, não está sujeita nem à lei nem à ética.

Este cruel subterfúgio para disfarçar a impunidade já foi abordado em outro desenho animado em março de 2019 por causa do que eles chamavam de “a tragédia de Tarajal“.

Terra de ninguém

Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad
Artículos relacionados
Hipotecas

Hipotecas

Os patrões do mal

50 segundos

Este blog se aloja en LucusHost

LucusHost, el mejor hosting

Grandes personan que patrocinan.

Patreon

Recibe contenido extra y adelantos desde sólo un dolarcito al mes como ya hacen estos amables lectores:

César D. Rodas - Jorge Zamuz - David Jubete Rafa Morata - Sasha Pardo - Ángel Mentor - Jorge Ariño - Vlad SabouPedro - Álvaro RGV - Araq