La Vanguardia retira um desenho de Laplace

 
 

A retirada foi motivada por queixas de alguns leitores que consideravam o desenho animado racista.

La Vanguardia retira um desenho de Laplace
O jogo/faixa original foi publicado no sábado, 6 de Março de 1982 (Ver no arquivo do jornal).

Na sexta-feira passada, 26 de Agosto, La Vanguardia publicou esta faixa do clássico passatempo dos 8 Erros do cartunista francês Jean Laplace, como tem feito desde 1977

A série apareceu em vinte e dois jornais em diferentes partes da Europa, África, América e Ásia. Em Espanha, são publicados em La Vanguardia, La Voz de Galicia, El Diario Montañés e Heraldo de Aragón (1)

Jean Laplace faleceu em 2018, mas La Vanguardia ainda publica o seu famoso jogo em papel acrescentando no canto superior a data original de publicação e também como um jogo interactivo no seu website.

Após a publicação deste número, o provedor de justiça dos leitores recebeu uma série de e-mails:

“Sou um leitor diário de La Vanguardia e , entre outras coisas, toco os 8 Erros todos os dias. Não entendo como hoje, sexta-feira 26 de Agosto, permitiram que este desenho fosse publicado, o que é totalmente racista”, perguntou Manuel Ribas.

A leitora Chiara Arroyo também me escreveu para expressar a sua indignação pelo desenho animado daquele dia: “É inaceitável que La Vanguardia publique um desenho animado que é ofensivo porque é racista. Eu espero uma rectificação”.

Joel Albarráno vice-director e mediador do leitor de La Vanguardia respondeu a estas queixas. Tomei a licença para reproduzir a sua resposta, embora o texto só esteja disponível aos subscritores, porque acredito que este tipo de resposta merece ser publicada.

Num texto intitulado “Um desenho animado fora do tempo“Albarrán assegura que“após o aviso apropriado dos leitores, foi removido da secção de passatempos da página web e não voltará a aparecer na edição impressa“.

E ele acrescenta:

“Nasmais de quatro décadas que passaram desde que aquele desenho animado foi publicado, todos nós aprendemos a identificar que certos pontos de vista e expressões culturais exalam involuntariamente.

Alguns desenhos animados de Tintin, filmes de Tarzan ou a canção Cola-Cao do “homenzinho negro da África tropical” reflectem atitudes que não são da época actual, mas que não invalidam o facto de que eram inocentemente apreciadas na altura.

Algo semelhante é verdade para este desenho em particular. Penso que é apenas justo salientar que é uma excepção que não reflecte de forma alguma o espírito dos 8 Erros de Laplace. Osseus personagens intrometidos, que se encontram em situações originais e surpreendentes, conquistaram os leitores há 45 anos e hoje fazem parte da essência do jornal que é transmitida de geração em geração, pois para muitos leitores é um hábito diário partilhado com os membrosmais jovens da família”.

A grande diferença entre a retirada (ou não republicação) e a eliminação

Este é um debate recorrente, especialmente quando falamos da reimpressão de banda desenhada que no seu tempo reflectia os sentimentos de tempos em que não éramos particularmente sensíveis a certas questões como o sexismo, a xenofobia, o racismo, o consumo normalizado de álcool e tabaco, etc., mesmo em obras destinadas ao público infantil.

A remoção e/ou reformulação de gráficos e mensagens e das suas formas nas reimpressões é interpretada por muitos como actos de censura ou pelo menos como uma tentativa de reescrever a história, que como já sabemos nem sempre nos deixou num bom lugar como sociedade.

Acredito que o inaceitável ponto de ruptura no equilíbrio do respeito pela história ocorre quando se tenta eliminar ou destruir completamente uma obra, pois acredito que é até pedagógico que todos esses “maus” costumes possam sempre ser consultados e tomados como referências da nossa evolução, ou não.


Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad
Artículos relacionados

Deixe um comentário