Genocídio lento

 
Genocídio lento

Genocídio lento. Cartoon de 30/03/2024 em CTXT

Dias depois de este cartoon ter sido desenhado, o exército do Estado genocida de Israel bombardeou um grupo de pessoas que regressava da distribuição de alimentos. Não era preciso ser adivinho para o prever: há meses que bloqueiam a ajuda humanitária e utilizam a fome como arma de guerra, bombardeando aqueles que se aproximam para tentar obter alimentos.

De acordo com a história, "depois de um míssil ter atingido o primeiro carro do comboio da World Central Kitchen, os sobreviventes correram para se abrigarem noutro carro, que foi atingido segundos depois. Um terceiro veículo aproximou-se para ajudar os feridos. Foi então também atacado.

E o que é que o porta-voz dos assassinos diz? Bem, Daniel Hagari diz que está muito, muito arrependido e que eles vão investigar. Vão tentar descobrir porque é que um exército tão poderoso, com armamento tão sofisticado e preciso, e apesar de saberem muito bem que esta organização estava lá fora a fazer o seu trabalho, foi capaz de os matar sem cerimónias. Mais uma medalha de mérito em cinismo para este sociopata.

Netanyahu, por seu lado, rapidamente descarta o assunto como um "acidente" e acrescenta que são coisas que "acontecem na guerra". Bibi, por qualquer razão, esquece-se de que isto não é uma guerra.

Israel não precisou de muito tempo para "investigar" e atribui o "ataque" aos trabalhadores humanitários a um "erro de identificação".

Não há dúvida de que morreram da mesma forma que o resto das pessoas na Palestina, executadas a sangue frio por esse bando de loucos a que Israel chama exército e que se dedica, entre muitas outras barbaridades, a disparar sobre a cabeça de crianças.

Os sete membros da World Central Kitchen juntam-se à longa lista de assassinatos impunes perpetrados por Israel na Palestina, que ascende a dezenas de milhares. De acordo com o último relatório da UNRWA, de 1 de abril, o número total dos seus membros mortos desde 7 de outubro é agora de 173. Nenhum deles teve a mesma "sorte" com falsas condolências. Israel acusou esta organização de terrorismo sem apresentar quaisquer provas.

As reacções aqui foram tão comedidas, cobardes e mornas como sempre.

José Manuel Albares, Ministro dos Negócios Estrangeiros, pouco ou nada fez e declarou: "Lamentamos a morte de 7 cooperantes da WCK e exigimos que as circunstâncias da sua morte sejam esclarecidas". Como de costume, os assassinos que se expliquem.

Pedro Sánchez, em digressão pelo Médio Oriente, disse o mesmo numa conferência de imprensa em Doha (Qatar) e que os "supostos esclarecimentos" do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu não são suficientes e que aguardam uma "explicação muito mais detalhada e pormenorizada sobre as causas e o motivo deste atentado". Eles que fiquem quietos.

Aproveitou também para prometer, pela enésima vez, que a Espanha reconhecerá a Palestina como Estado "o mais rapidamente possível", o que dá sempre boas notícias, mas, a este ritmo, não haverá Estado nem palestinianos para reconhecer.

A vida continua, neste caso a morte, pois Israel destruiu o hospital Al-Shifa, o maior e principal complexo de saúde de Gaza, deixando centenas de mortos após duas semanas de cerco. Destruir hospitais é apenas mais uma parte da agenda genocida de Netanyahu. Mas a festa pode sempre tornar-se mais complicada.


Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad

Artículos relacionados

Campeões

O cais

Fome

¿Algo que decir?

Este blog se aloja en LucusHost

LucusHost, el mejor hosting