Biografia, Joaquín Salvador Lavado Tejón (Quino)

 
 
Joaquín Salvador Lavado Tejón (Quino)
Foto: Ministério da Cultura da Nação – CC BY-SA 2.0

No próximo mês, passarão dois anos desde o desaparecimento de Quino, por isso decidi inaugurar este nova secção de biografias de cartoonistas com os seus.

Quino nasceu a 17 de Julho de 1932 (embora os registos mostrem 17 de Agosto) na cidade andina de Mendoza (Argentina).

As raízes andaluzas

De ascendência espanhola, os seus pais, Cesáreo Lavado e Antonia Tejón eram de Málaga, do bairro Boliches em Fuengirola.

O autor confessou em 1977 que ele tinha “um problema de raízes”, pois também nunca se sentiu muito latino-americano“porque os meus pais eram andaluzes e em casa falavam andaluz“.

Biografia, Joaquín Salvador Lavado Tejón (Quino)
Certidão de nascimento de Quino (Fonte)

Quino, como adulto, regressou a Fuengirola com a memória de uma pequena aldeia piscatória, como ele relatou numa entrevista na RTVE em 1976

(…)“Descobri que eram, não sei, arranha-céus e tudo o que estava escrito em sueco e holandês e foi uma grande decepção” (…) Além disso, todos os meus tios e tias vivem na Argentina e são também de lá, de Fuengirola e ficaram muito entusiasmados por saber como era lá e quando lhes falei sobre isso… ” (…) A única coisa que permaneceu a mesma é… a minha mãe sempre me disse que há lá um castelo numa pequena colina e que ela brincava lá quando era criança, então o que eu fiz foi tirar algumas pedras do chão e levá-las aos meus tios e tias, que estavam muito entusiasmados, claro“.

Vocação acidental

O mais novo de três irmãos, o mais velho um contabilista e o outro um advogado, desde criança foi apelidado de Quino para o distinguir do seu tio Joaquín.

A sua vocação para o desenho nasceu acidentalmente. Quando os pais de Quino foram ao cinema, deixaram Quino e os seus irmãos aos cuidados do seu tio Joaquín Tejón, que era ilustrador publicitário. O tio Joaquín divertiu os três irmãos desenhando desenhos animados e macacos.

Quino disse que foi uma experiência que ele nunca esqueceu e que o fez descobrir um mundo maravilhoso que ele nunca deixou. O autor lembra-se que quando tinha 4 anos de idade começou a fazer os seus primeiros desenhos com um lápis azul.

Biografia, Joaquín Salvador Lavado Tejón (Quino)
Fonte, Twitter Mafalda Oficial @MafaldaDigital

Órfão aos quinze anos

Quino perdeu os seus pais muito cedo. A sua mãe morreu quando o cartoonista tinha treze anos e dois anos mais tarde o seu pai morreu, por isso aos quinze anos de idade ele foi deixado ao cuidado dos seus irmãos, que sempre apoiaram a sua decisão de se tornar um cartoonista.

Em 1945, aos treze anos de idade, entrou na Escola de Belas Artes, onde permaneceu apenas dois anos (embora as datas na sua biografia oficial e o que afirmou em entrevistas não coincidam), segundo Quino, porque “…”Desenhar vasos com um trapo atrás deles, uma guitarra… era muito aborrecido, embora eu tivesse um professor iugoslavo que era muito excelente e tinha um grande sentido de humor, e ele também me disse para me dedicar um pouco a isto“.

A tentar a minha sorte em Buenos Aires

Aos 18 anos de idade, ele foi a Buenos Aires, onde todas as revistas semanais e as grandes publicações de humor estavam localizadas, para tentar a sua sorte na profissão de humor não nada fácil. A experiência foi desencorajadora porque, como ele próprio confessaria “…”eu era uma gaveta muito má e eu fui lá com alguns desenhos horrendos que ninguém aceitaria hoje“.

Ele encontrou-se com os cartoonistas que mais admirava na altura e eles disseram-lhe que as ideias eram bastante boas, mas que ele tinha de melhorar o seu desenho, que lhe faltava muito e que ele tinha de ser paciente. Quino continuou a praticar.

Serviço Militar

O cartunista que transformou a sopa numa metáfora de militarismo e imposição política voltou a Mendoza para fazer o seu serviço militar obrigatório, durante o qual nunca mais pegou num lápis

Quino recontou na sua última entrevista para a documentário “Looking for Quino” a partir de 2020 (registado no final de 2018) que outro dos seus sonhos recorrentes é que ele é chamado novamente para o serviço militar. E que quando ele diz ao comandante que já fez o seu serviço, este último responde: “Sim, mas tem de o fazer novamente… Tive um momento muito mau“ele recordou.

Para sua surpresa, após este período militar de absoluta inactividade artística, ele agora desenha de uma forma que nada tem a ver com o seu estilo anterior.

De volta a Buenos Aires

Ele tentou novamente, mas desta vez em vez de regressar a Buenos Aires, começou a enviar o seu trabalho por correio porque era muito mais barato.

Pouco tempo depois, o cartoonista Divitoquino, de quem Quino gostava muito, encorajou-o a regressar a Buenos Aires, assegurando-lhe que com um pouco mais de prática poderia encontrar um emprego. No entanto, isto não era para ser. Quino passou mais seis maus meses em Buenos Aires vivendo em pensões e partilhando um quarto, embora tenha continuado a receber ajuda e protecção dos seus irmãos.

30 pesos

Numa altura em que o papel era escasso e as revistas não contratavam novas pessoas, começou a colaborar no“Esto es“, uma revista geral de actualidades sem qualquer relação com o humor. Ele recebeu 30 pesos por cada um desses primeiros desenhos em 1954.

O autor continuou a combinar as suas colaborações em diferentes publicações com algumas comissões de publicidade

Alicia Colombo

Em 1960 ele casou Alicia Colombo. Quino tinha então 27 anos e Alicia 28

“Alicia teve um doutoramento em Química e trabalhou na Comissão Nacional de Energia Atómica, mas no final dos anos 60 ela deixou tudo para se dedicar ao cuidado e divulgação do trabalho do seu marido. Graças a ela, Quino teve a sua merecida projecção internacional: publicou quase 2000 tiras de Mafalda que foram lidas em 43 países, e traduzidas e publicadas em 23 línguas, incluindo japonês, grego, indonésio, arménio, hebraico e chinês.
Alicia foi sua representante até que, em 2003, ela deu lugar à sua sobrinha, Julieta Colombo
” – (Fonte).

O casal decidiu não ter filhos porque, como Quino disse em várias ocasiões, e foi publicado numa entrevista no El País em 1990: “…”É uma coisa má trazer alguém aqui sem lhe perguntar“.

Alicia Colombo morreu em Setembro de 2017.

Censura

A respeito da censura, Quino assegurou que nunca a sofreu com Mafalda, mas fê-lo com algumas outras páginas de humor.

“Não com Mafalda, mas com as páginas de humor, sim. Quando cheguei a Buenos Aires em 1954 com o meu pequeno livro, descobri como era: sem piadas sobre religião, sem sexo, sem piadas militares, sem piadas contra a família (o que não tenho a certeza do que isso significa). Não havia um órgão de censura, mas o secretário editorial diria “Não, é melhor guardarmos isto para nós”. Era uma espécie de auto-censura, mas você sabia que ela vinha de cima“.

O nascimento de Mafalda

Segundo o site oficial de Quino, em 1963, Mafalda, o seu personagem mais popular, nasceu e também os mais manipuladoso objectivo do livro era publicitar o lançamento de uma marca de electrodomésticos chamada “Mansfield”, uma sub-marca da empresa Siam Di Tella

Quino contou a anedota sobre a origem de Mafalda em muitas ocasiões. Diz-se que a agência Agens Publicidad encomendou a Miguel Brascó o trabalho, mas o cartoonista recusou porque tinha outros compromissos e recomendou Quino. Era um desenho animado com uma família. Tinha que ser o que se chamava então “uma família típica”, um casal casado com dois filhos. A ideia era que esta família usaria aparelhos eléctricos e que seria mais ou menos óbvio que eles eram os aparelhos da marca. Ou seja, publicidade encoberta

A ideia falhou porque os jornais disseram que isto era publicidade e tinha de ser pago, por isso a banda desenhada permaneceu numa gaveta durante dois anos, apesar de Quino ter guardado 12 tiras dessa série

Biografia, Joaquín Salvador Lavado Tejón (Quino)

Um dia, um amigo jornalista, Julián Delgado, que trabalhava numa revista, perguntou-lhe se ele tinha algo diferente e Quino enviou-lhe os desenhos daqueles personagens que acabariam por ser publicados a 29 de Setembro de 1964 no semanário Primera Plana e assim começaram a tornar-se populares.

Nesse mesmo ano, uma editora que viu como Mafalda foi bem recebida pelos leitores sugeriu que ele publicasse um livro de humor gráfico, 5000 exemplares foram feitos e esgotados em dois dias

O livro chamava-se“Mundo Quino” e era uma compilação de desenhos publicados em diferentes revistas com um prólogo do escritor, cartoonista e humorista Miguel Brascó.

Sobre este livro, Quino disse que ele tinha duas memórias muito diferentes. “Um a alegria do primeiro livro e o outro a frustração de ter sido um grupo de pessoas que se juntou para publicar uma série de livros, correu muito mal, ficaram arruinados, nunca foram pagos por nada, mas bem, eu não me importei. O que era bom era ter o primeiro livro“.

Em 1965 Quino começou a publicar a Mafalda no jornal El Mundo. Os seus personagens cresceram em popularidade na Argentina e começaram a ser publicados na América do Sul, e depois mudaram-se para Itália e mais tarde para o resto da Europa. Em 1970, os primeiros livros de Mafalda chegaram a Espanha.

Adeus a Mafalda

Em 25 de Junho de 1973, Quino deixou de desenhar Mafalda como uma série, embora continuasse a ser reimpressa enquanto ele continuava com as suas publicações semanais de páginas de humor.

Deixar de desenhar Mafalda foi uma decisão causada em grande parte pelo esgotamento da personagem e do autor”tive a sensação de que estava a começar a repetir-me e isso pareceu-me desonesto. Eunão queria que a minha banda desenhada fosse como aquelas que já têm 40 anos e você lê por hábito e já sabe como elas vão acabar. Eu não gosto disso“, confessou ele quando questionado sobre esta questão.

Quino, um personagem reservado e sempre modesto, confessou não poucas vezes que se fartou de desenhar Mafalda. Ter um personagem é uma escravidão e outros cartunistas que trabalharam com um personagem aconselharam-no a não ter um. “Também arruína o desenho porque o facto de desenhar sempre até certo ponto, sempre os mesmos personagens, limita muito“.”Sinto-me muito mais confortável a fazer outro tipo de humor, livre como este.” E isso mostra, o seu ilustrações satíricas de página inteira são muito bons.

Em o seu site pode ler a sua resposta habitual à questão recorrente de porque é que ele tinha decidido parar de desenhar a série de tiras Mafalda.

Eu estava cansado de fazer sempre a mesma coisa. A decisão até passou por áreas conjugais, porque a minha mulher estava farta de não saber se podíamos ir ao cinema, convidar pessoas para jantar ou o que quer que fosse, porque eu estava acordado até às 10 horas da noite com as tiras

Além disso, era muito difícil para mim não me repetir e percebi que quando não conseguia pensar em nada, recorria imediatamente ao Manolito ou à Susanita, que eram os mais fáceis. Além disso, havia um tipo que era professor dos cartoonistas da minha geração, Oski,(Oscar Conti) e ele costumava dizer-nos para nunca nos envolvermos com um personagem fixo e se nos envolvêssemos, devíamos tirar uma tira e cobrir a última praça com a nossa mão. Se o leitor adivinhar como vai acabar, é aí que tem de parar de o fazer

Achei que era um bom momento e não imaginava que vinte e poucos anos depois ainda seria válido“.

O medo recorrente

Quino, um pessimista confesso, também admitiu várias vezes que sofria de um dos medos recorrentes de quase todos os criadores: ficar sem ideias.

Tenho sempre medo, depois de ter feito estes desenhos durante tantos anos, que um dia já nada me ocorra, e acontece-me muitas vezes que passo uma semana sem inventar nada… bah, as coisas ocorrem-me, mas não são engraçadas ou são engraçadas, mas eu não gosto delas. E fico muito chateado porque acho que estou acabado, não sei, estou muito trágico“.

Biografia, Joaquín Salvador Lavado Tejón (Quino)

Exílio e regresso

Após o golpe de Estado na Argentina em 1976, Quino e Alicia Colombo exilaram-se em Milão (Itália) onde foi estabelecido o gabinete que geria os direitos do seu trabalho para toda a Europa, e não regressariam ao país até ao regresso da democracia em 1983.

No seu regresso, tributos, tributos, o principais exposições, prémios y distinções académicasenquanto os seus livros continuaram a ser vendidos aos milhares em diferentes países.

Em 1990 obteve a nacionalidade espanhola, que já tinha solicitado sem sucesso em 1977, alternando a sua residência entre Madrid e Buenos Aires.

Quino morreu no dia 30 de Setembro de 2020 em Mendoza com 88 anos de idade, um dia após o cinquentenário da primeira publicação de Mafalda. A guilda do cartoonista, os seus leitores, familiares e amigos prestaram homenagem a este autor universal e irrepetível.

Fontes consultadas:


Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad
Artículos relacionados