O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

 
  • ES
  • RU
  • CN
  • DE
  • FR
  • EN
  • O New York Times vai deixar de publicar desenhos animados políticos a partir de 1 de Julho

    O New York Times anunciou que vai deixar de publicar desenhos políticos na sua edição internacional, “coincidindo” assim com a edição nacional, onde não existem desenhos animados. No dia 1 de Julho irá despedir-se da sátira e também de dois dos seus cartunistas, Patrick Chappatte e Heng Kim Song, ambos os quais cortou.

    O jornal o anúncio foi feito da seguinte forma é quase cômico que fechem o artigo com um lembrete de que no ano passado, pela primeira vez na sua história, ganharam um Pulitzer para desenhos animados políticos.

    Publicaram também uma breve declaração assinada pelo seu editor, James Bennet, na mesma linha.

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Chega de correr riscos ao publicar opiniões não controladas, moldadas, suavizadas, adaptadas e servidas ao gosto dos chefes da empresa, que podem muito bem ser internos e/ou externos e podem ter muito a ver com o dinheiro que entra, ou não.

    Tem havido muitas opiniões contra esta decisão, desde aqueles que descrevem o jornal como cobarde até àqueles que se sentem desapontados e recordam ao NYT a tradição e história dos desenhos animados políticos que estão agora a ser apagados com um golpe de caneta para uma escaramuça única. Mas, claro, esta outra “máfia” dos que se opõem ao desaparecimento dos desenhos animados não será a que influenciará a posição do jornal.

    Os cartoonistas respondem à decisão do The New York Times

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Desenho animado Clay Jones em o seu website

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Desenho animado por Joel Pett

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Desenho animado do cartunista mexicano Darío Castillejos no Twitter

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Idígoras & Pachi no El Mundo

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Cartoon de Ed Hall no Twitter

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Desenho animado de Kevin Kallaugher“Kal” no The Baltimore Sun acompanhando um editorial (Não disponível na Europa. Visite com VPN ou veja o screenshot)

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Cartoon do belga Steven Degryse“Lectrr”, no Twitter

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Desenho animado de Joep Bertrams nos desenhos animados Cagle

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Desenho animado do brasileiro Osmani Simanca no Facebook

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Cartoon in The Charlotte Observer de Kevin Siers, presidente da Association of American Editorial Cartoonists (AAEC), que também divulgou uma declaração.

    E aqui estão mais alguns:

    No Cartoon Movement publicam também uma nota intitulada ” Um assustador e míope“do qual estes parágrafos se destacam:

    Num debate público saudável (que um jornal como o NY Times deveria facilitar), o que se segue é uma discussão sobre o porquê deste desenho animado ter atravessado a linha. Porque é que muitas pessoas acham este desenho tão ofensivo? O que é permitido quando criticamos Israel e o que não é? Que símbolos podemos usar? Até onde podemos levar um desenho animado de um político israelita? Todas as questões significativas que encorajariam um debate que levaria a desenhos animados mais fortes, melhores e menos ofensivos e desnecessários (desnecessários está incluído porque por vezes os desenhos animados devem ser ofensivos).

    O que não deve acontecer é um completo silenciamento deste ramo do jornalismo visual. Porque isso retira ao debate público. É, por falta de uma palavra melhor, censura. Eu uso a palavra censura não por causa da decisão em si (é prerrogativa de cada meio de comunicação decidir o que eles vão e não vão publicar, por mais fortemente que discordem), mas a aparente argumentação por detrás disso.

    Por mais que tentem disfarçar a decisão dizendo que vão explorar outras formas de jornalismo, incluindo o jornalismo “visual”, é claro que o evento de Abrilapós a remoção de um desenho animado que tinha sido rotulado como anti-semita com Netanyahu e Trump e pelo qual pediram desculpa, o NYT deu o golpe de misericórdia ao humor gráfico no NYT.

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Desenho animado por cartoonista português António Moreira Antunes publicado na edição internacional do The New York Times na quinta-feira 25 de Abril. Anteriormente, a 19 de Abril, apareceu no semanário português Expresso

    Após a fila anunciado anunciou formalmente que deixaria de publicar desenhos animados sindicalizados na sua edição internacional e que só utilizaria artistas com ligações directas ao papel, os mesmos cartoonistas que está agora a despedir.

    Um desses cartoonistas, Chappatte, que desenha para o NYT desde 2013, publicou um artigo no seu site intitulado “O fim dos cartoons políticos no The New York Times“na qual ele lamenta a decisão.

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Desenho animado de Patrick Chappatte publicado na primeira página do site da NYT a 8 de Janeiro de 2015, após o ataque à revista Charlie Hebdo para ilustrar a sua opinião.

    Mesmo assim, ele declara-se optimista e lembra-nos que esta é a era das imagens. “Num mundo de pouca atenção, o seu poder nunca foi maior”, acrescenta ele, mas também adverte:

    “Receio que não se trate apenas de desenhos animados, mas de jornalismo e opinião em geral. Estamos num mundo em que multidões moralistas se reúnem nas redes sociais e se levantam como uma tempestade, descendo sobre as redacções com um golpe esmagador. Isto requer contramedidas imediatas por parte dos editores, para deixar espaço para a ponderação ou discussão significativa. O Twitter é um lugar para furor, não para debate. As vozes mais ultrajadas tendem a definir a conversa, e a multidão enfurecida segue-a.

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Patrick Chappatte também fez uma grande compilação de links para páginas onde o assunto é discutido.

    E o quadro não parece muito bom. Longe do alarmismo, basta olhar para os casos cada vez mais frequentes de cartoonistas que perdem o emprego por fazerem aquilo para que deveriam ser contratados.

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    O San Diego Union-Tribune incêndio o cartoonista o jornal mexicano Ramses II para um desenho animado crítico de Donald Trump.

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    O Pittsburgh Post-Gazette rejeita 19 cartoons de Rob Rogers e despede-o.

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Um jornal alemão demite o seu cartoonista por usar “estereótipos anti-semitas numa banda desenhada”.

    O New York Times vai deixar de publicar desenhos políticos a partir de 1 de Julho

    Cartunista despedido para um desenho animado crítico da lei do Estado-nação de Netanyahu.

    Y muitos outros que estiveram envolvidos em vários tumultos diferentes.


    Suscríbete por email para recibir las viñetas y los artículos completos y sin publicidad

    Artículos relacionados

    Involução

    Trump golpista

    Nós o Povo